ALERGIAS & INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES, VOCÊ REALMENTE SOFRE DISTO?

As alergias alimentares estão cada vez mais presentes na vida das pessoas, situações de desconforto ou de fortes crises podem acarretar outras doenças mais graves.  Há uma diferença entre alergia e intolerância alimentar, ambos os problemas que podem impossibilitar uma nutrição adequada. 

A seguir, algumas orientações para distinguir uma da outra e ajudar a lidar com elas:

Alergia alimentar: sintomas e causas

As reações alérgicas ocorrem quando o organismo começa a produzir anticorpos às proteínas presentes nos alimentos. Uma reação alérgica grave, com dificuldade respiratória e até mesmo colapso e choque, pode colocar a vida em risco. Felizmente, a maioria das reações alérgicas são brandas. Entre os sintomas estão a urticária, outras erupções cutâneas avermelhadas, diarréia, vômitos, secreção nasal e problemas respiratórios.

O leite é a causa mais comum de reações alérgicas em crianças pequenas. Cerca de três em cada 100 crianças são alérgicas ao leite de vaca, e quase 95% superam a alergia aos quatro anos. Alergias a nozes, mariscos, amendoim e clara de ovo vêm em segundo lugar. As reações a esses alimentos têm menos probabilidade de desaparecer com o passar do tempo e podem durar a vida inteira.

A alergia a proteína do leite de vaca  é resultante da sensibilidade a uma ou mais proteínas alimentares a uma mucosa intestinal permeável, onde o mecanismo é uma reação imunológica.

As manifestações gastrointestinais são: diarreia, dor abdominal, vômitos e sangramento retal. E manifestações respiratórias: asma e rinite alérgica, manifestações na pele: eczema e urticária.

O diagnóstico é clínico, podendo ser IgE aumentado, hemoglobina e biópsia.

Intolerância alimentar: sintomas e causas

A intolerância a determinados alimentos é um problema menos grave, mas causa muitas inconveniências. O tipo mais comum é intolerância à lactose, a dificuldade de digerir o açúcar natural presente no leite. Gases, distensão abdominal e diarréia surgem após a ingestão do leite. A intolerância à lactose pode surgir em qualquer idade, sendo comum nos primeiros anos de vida. Em geral, pessoas alérgicas sequer toleram quantidades mínimas do alimento. Muitos derivados de leite, como iogurte ou queijo, não causam problemas, pois a lactose presente neles é decomposta durante o processamento. Algumas pessoas desenvolvem sintomas ao ingerir pequenas quantidades de leite. Outras, só em grandes quantidades.

A intolerância ao glúten, chamada doença celíaca (incapacidade de digerir uma proteína encontrada no trigo – gliadina), pode ser bastante grave. Acredita-se que essa intolerância seja um problema imunológico hereditário que afeta o intestino. Pode interferir na absorção de diversos nutrientes e provocar problemas de crescimento, ganho baixo de peso, diarréia ou constipação e irritabilidade. A intolerância ao glúten pode surgir logo após a introdução de produtos à base de trigo, como cereal ou pão, na alimentação do bebê. Pode também manifestar-se durante a vida adulta.

Muitos alimentos têm sido associados a alergias alimentares. Os mais comuns são aqueles com elevado conteúdo protéico, especialmente de origem vegetal ou marinha.

Uma reação alérgica a uma determinada proteína ou outra macromolécula de origem alimentar, só ocorre quando estas penetram pelo trato gastrointestinal. O trato gastrointestinal e o sistema imunológico proporcionam a chamada barreira mucosa, a qual impede a absorção da maior parte das proteínas intactas. Quando esta barreira falha ocorre uma sensibilização alérgica e uma reexposição ao antígeno produz a reação alérgica.

Sintomas de Alergias Alimentares
Gastrointestinal Dor abdominal. Náusea. Vômito. Diarréia. Sangramento gastrointestinal. Enteropatia com perda protéica. Prurido oral e faríngeo.
Cutâneo Urticária. Eczema. Angioderma. Eritema. Prurido.
Respiratório Rinite. Asma. Tosse.
Sistêmico Anafilaxia.

O que fazer

Se desconfiar que tem alguma intolerância ou alergia alimentar, converse com um médico. O diagnóstico deve ser feito por profissional especializado, ele vai solicitar os exames que possam comprovar o diagnóstico. Comparar-se a amiga ou parente que tem sintomas semelhantes aos seus não é uma boa forma de diagnosticas uma alergia ou intolerância. As alergias alimentares podem enganar. Informe-se sempre sobre o conteúdo de alimentos processados, lendo atentamente os rótulos. Por exemplo, se seu filho for alérgico à caseína, uma proteína do leite, evite alimentos que contenham caseinato de cálcio ou caseína descritos no rótulo. Se você for alérgico ao glúten, atenção! Ele pode estar escondido no extrato de baunilha, na proteína vegetal hidrolisada ou no catchup. Talvez você precise consultar o médico ou um nutricionista para ajudar a manter uma alimentação equilibrada e respeitar as restrições necessárias.

Pessoas intolerantes à lactose geralmente podem tomar leite e laticínios sem lactose. Se não tolerar derivados do leite, você precisa ingerir cálcio de outras fontes. Alimentos a base de soja também podem substituir a necessidade de proteínas e cálcio.

Os portadores devem estar cientes não apenas da alergia, mas também das medidas que devem ser tomadas caso ocorra uma reação alérgica. O médico deve informar o que fazer no caso de uma reação alérgica. 

As dietas prescritas devem ser individualizadas com a participação dos familiares, médico ou nutricionista. A dieta de exclusão deve ser mantida por duas semanas, e o período de reintrodução de alimentos por dois ou três dias, variando para mais ou menos  dias, conforme a recuperação do paciente. Muitos tipos de reações alérgicas são tratadas sob a ótica da farmacoterapia com a utilização de anti-histamínicos e às vezes é necessário o emprego de adrenalina.

É de extrema importância que os indivíduos que apresentam alergia a algum tipo de alimento identifiquem-no, para que haja prevenção à reação alérgica, pois essas reações podem provocar danos severos ao organismo, e em alguns casos, ser fatal.

Lembrando sempre que frutas, verduras e legumes não possuem gluten ou lactose e sempre devem ser a base de suas refeições e lanches. Aí vai uma receitinha livre de gluten e de lactose, que pode ser interessante em seu dia-a-dia.

Rosca de Polvilho

Ingredientes

  • 2 copos polvilho azedo
  • 4 ovos
  • 1/2 copo óleo
  • 1/2 copo leite vegetal 
  • sal a gosto
  • 1/2 copo água quente, não deixe ferver

Modo de Preparo

Misture todos os ingredientes em uma tigela. Por último, acrescente a água quente aos poucos, veja se a massa não vai ficar muito mole. Bata até formar uma massa homogênea.

Coloque a massa dentro de um saco plástico, fazendo um pequeno furo em uma das pontas.

Em uma forma, modele a rosca no formato de sua preferência, espremendo o saco para que a massa saia pelo furo.

Não precisa untar a fôrma. Coloque para assar em forno pré-aquecido a 250ºC. Deixe assar até dourar.

DRA. MARLISE POTRICK STEFANI 

NUTRIÇÃO | GERIATRIA | COACHING | 

QUALIDADE DE VIDA | GASTRONOMIA

Inscreva-se no meu blog: http://www.nutrichefmarlisestefani.com

Assim, você terá todos os artigos e receitas catalogadas para quando quiser pesquisar. Aguardo você lá!