Low Carb ou “No” Carb? Eis a questão…

As pessoas tem exorcizado o carboidrato de suas dietas como se fossem inimigos. Às vezes sem nem saber para que servem estes nutrientes tão importantes.

A busca de um corpo magro e definido é o sonho de muita gente e a indústria dos novos alimentos e suplementos aproveita para colocar produtos milagrosos na mesa. O problema é que, com medo de engordar, deixam de lado os carboidratos, um nutriente que, além de ajudar na definição dos músculos, são uma verdadeira fonte de energia para o nosso organismo.

O que são carboidratos

Os carboidratos – também conhecidos como glicídeos ou hidratos de carbono – têm como principal função a de servir como combustível energético para o corpo. “Átomos de carbono, hidrogênio e oxigênio combinam-se para formar um carboidrato ou uma molécula de açúcar”.

Os tipos

Para quem não sabe, a unidade básica dos carboidratos é a molécula de açúcar e podem ser divididos em três tipos:

• Monossacarídeos – açúcares tipo glicose (encontrado no sangue), frutose (encontrado nas frutas e no mel) e galactose (encontrado nas glândulas mamárias);

• Dissacarídeos ou Oligossacarídeos – açúcares duplos: sacarose (dissacarídeo dietético mais comum, também encontrado na beterraba, na cana-de-açúcar, no sorgo, no xarope de bordo e no mel), lactose (açúcar do leite), maltose (encontrado em cervejas, cereais e sementes em processo de germinação);

• Polissacarídeos – contêm três ou mais açúcares simples: polissacarídeos vegetais ou apenas amido (encontrado em sementes, milho e nos vários grãos com que são feitos o pão, os cereais, as massas…)

Os grupos

Os carboidratos podem ser divididos em dois grupos: carboidratos simples e complexos:

• Carboidratos Simples – são mais facilmente quebrados no processo digestivo e assim, fornecem energia imediata. São encontrados em frutas e sucos, mas dificultam a perda de peso, pois, como são digeridos rapidamente pelo organismo, eles fazem com que os níveis de açúcar no sangue aumentem rapidamente, ocorrendo assim, a liberação da insulina que consegue colocar os carboidratos para dentro das células de gordura e músculos. Essa liberação de insulina previne que o corpo utilize a gordura armazenada por causa do excesso de açúcar presente no sangue, dificultando a perda de gordura.

• Carboidratos Complexos – são mais lentamente digeridos, evitando assim, as grandes elevações e queda dos níveis glicêmicos. São eles: arroz, aveia, feijão, massas, batata, milho, pão. Mas tome cuidado para não exagerar!!! O consumo de carboidratos complexos não pode ultrapassar de 60% das calorias totais ingeridas, ou o feitiço acaba virando contra o feiticeiro!

Funções dos carboidratos

Os carboidratos não têm como única função a de fornecer energia para o corpo. Esta é a principal, mas existem outras:

• Poupar a queima de proteínas com finalidade energética;

• • Auxiliar a oxidação mais eficiente e completa de gorduras com finalidade energética;

• A glicose é o principal combustível para o cérebro. A falta deste nutriente pode causar danos irreversíveis ao cérebro, pois é ela que irá manter a integridade funcional dos tecidos nervosos.

• Auxiliar na absorção do cálcio;

• A lactose (dissacarídeo) permanece mais tempo nos intestinos, estimulando a ação laxativa.

Por isso, pense bem antes de reduzir a zero os carboidratos da dieta, pois o organismo passa a usar as proteínas para produção de energia, principalmente às custas da massa muscular, isto é, o atleta ou desportista que se exercita mal alimentado está comprometendo sua musculatura. A ingestão adequada de carboidrato previne o uso da proteína tecidual.

Reduzir o carboidrato da noite e de algumas refeições, com orientação médica ou nutricional, pode ser uma opção para algumas dietas de perda de peso, mas deve ser definida com consciência e responsabilidade.

É muito difícil generalizar, mas “cortar” alimentos importantes de sua dieta pode não ser uma boa solução a longo prazo. As pessoas tem comido em maior volume, valorizado mais o alimento como fonte de prazer do que como fonte de energia, tem se tornado mais sedentárias consumindo menos energia. É uma conta que não fecha. Comer mais e gastar menos…

O que vale é uma alimentação equilibrada, adequada às suas características individuais, gênero, idade, atividade física diária, estado nutricional, patologias, histórico familiar, o que é bom para um pode ser péssimo para outro…

Pense em você, não vá atrás de dietas de moda ou alimentos milagrosos, o corpo humano é perfeito, e vai responder de acordo com o combustível que receber.

Uma dieta completamente restritiva nem sempre é uma boa opção, equilíbrio sempre é uma boa opção!

Para uma jantinha com redução de carboidrato, nada melhor que um bom omelete, não é mesmo? Aí vai uma receitinha!

OMELETE DE SHITAKE

Ingredientes:

• 1 ovo

• 1 clara

• 2 colheres de sopa de leite desnatado ( ou sem lactose, ou de amêndoas

• Orégano, salsinha e cebolinha

• ½ xícara de shitake fresco cortado em tirinhas

• 1 colher de cebola roxa cortada em tirinhas finas

• 1 colher de sopa de quinoa em grãos cozida

Modo de preparo:

Bata todos os ovos, clara, leite e temperos a parte. Refoque a cebola, o shitake e a quinoa em uma frigideira cerâmica, sem óleo ou untada com azeite de oliva. Quando estiverem dourados, acrescentar a mistura de ovos, baixar o fogo, tampar e aguardar o cozimento. Servir com salada verde. Pronto! Você terá um excelente jantar, nutritivo e saboroso.

Você pode variar substituindo o shitake por abobrinha, berinjela, brócolis, espinafre, etc…

DRA. MARLISE POTRICK STEFANI

NUTRIÇÃO | GERIATRIA | COACHING |

QUALIDADE DE VIDA | GASTRONOMIA

Inscreva-se no meu blog: http://www.nutrichefmarlisestefani.com

Assim, você terá todos os artigos e receitas catalogadas para quando quiser pesquisar. Aguardo você lá!